Benefícios Flexíveis: Como implementar na empresa?

7 minutos para ler

É cada vez mais comum que as empresas ofereçam os chamados benefícios flexíveis para seus funcionários. Nesse tipo de sistema, os trabalhadores podem escolher, de acordo com alguns critérios, quais benefícios corporativos querem receber.

Isso vem se tornando muito comum devido a grande variedade de necessidades dos trabalhadores, pois cada um tem uma realidade diferente. 

Um colaborador que não tem filhos não necessita de um benefício como o auxílio creche, mas ele pode fazer muita diferença para os trabalhadores que têm filhos pequenos. Da mesma forma que um benefício como seguro de vida pode não fazer tanto sentido para um trabalhador, enquanto para outro, pode ser uma ótima solução.

A tendência é que os planos de benefícios sejam cada vez mais personalizados, pois isso permite que os funcionários selecionem as soluções mais adequadas a seu próprio estilo de vida. Inclusive, você pode contratar uma série de benefícios flexíveis com a mywork!

Neste artigo vamos te explicar como funcionam os benefícios flexíveis e como você pode implementar esse tipo de solução na sua empresa. Continue com a leitura para saber mais.

O que é um benefício flexível?

Os benefícios flexíveis surgiram nos Estados Unidos, por volta do ano de 1970, e vem ganhando força no Brasil nos últimos anos. 

De forma geral, os benefícios flexíveis são um conjunto de benefícios entre os quais o trabalhador pode escolher aqueles que fazem mais sentido para seu estilo de vida.

Trata-se portanto de uma cartela de soluções e vantagens que são oferecidas ao trabalhador e que permitem que ele selecione aquelas que irão ajudá-lo mais ao longo do tempo.

Diante disso, o colaborador torna-se o ponto central desta oferta, pois pode personalizar seu pacote de benefícios levando em consideração os itens mais interessantes para suas necessidades, o que faz com que o trabalhador seja o principal decisor.

Por que oferecer benefícios flexíveis?

Há uma série de vantagens para a empresa e para o trabalhador quando há a adoção de pacotes de benefícios flexíveis na organização.

Em primeiro lugar, os funcionários podem ter mais autonomia no momento de aderir aos programas de benefícios, o que aumenta a satisfação com a empresa e também ajuda a desenvolver a tomada de decisão.

Quando os colaboradores podem selecionar os benefícios que mais fazem sentido para seu estilo de vida, a tendência é que eles sejam assistidos de acordo com suas necessidades particulares. Muitas vezes, isso ajuda na solução de problemas e melhora toda a experiência do colaborador.

Ainda, oferecer benefícios flexíveis mostra o cuidado da empresa com as necessidades e com a satisfação dos colaboradores, além de ser uma forma de valorizá-los individualmente.

Por aumentar a satisfação dos funcionários com a empresa, a oferta de benefícios flexíveis também costuma aumentar o engajamento das equipes.

Aqueles que utilizam os benefícios flexíveis para resolver suas necessidades pessoais e profissionais deixam de ter uma série de preocupações e podem focar no trabalho e entregar melhores resultados.

Podemos ressaltar também que os benefícios flexíveis são uma ótima forma de mapear o perfil de seus colaboradores e encontrar melhores soluções para as necessidades de cada um. Um time formado por profissionais mais jovens pode preferir soluções de acesso a academias ao invés de auxílio-creche, por exemplo.

Entre os principais benefícios oferecidos em planos flexíveis estão:

  • Plano de saúde;
  • Plano odontológico;
  • Seguro de vida;
  • Estacionamento;
  • Transporte fretado;
  • Celular;
  • Vale-refeição;
  • Auxílio-medicamento;
  • Previdência privada;
  • Vale-combustível;
  • Vale-cultura;
  • Auxílio-creche;
  • Auxílio-educação.

O que diz a lei sobre os benefícios flexíveis?

Há uma série de dúvidas a respeito do que diz a legislação quando pensamos em benefícios flexíveis. O artigo 468 da Consolidação das Leis Trabalhistas determina:

Art. 468 – Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo consentimento, e ainda assim desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia.

Isso significa que a CLT não estabelece nenhum impedimento para a oferta de benefícios flexíveis desde que haja consentimento do colaborador em relação à nova política de benefícios e que ele não seja prejudicado de nenhuma forma mediante a adoção do novo plano.

Mas há um desafio quando pensamos em benefícios flexíveis! Mesmo que cada trabalhador tenha liberdade para escolher seus benefícios, todos os pacotes ofertados devem ter o mesmo valor, pois um funcionário não pode ganhar mais benefícios do que outro.

Por isso é muito importante ter cuidado na escolha dos pacotes e soluções que serão oferecidas.

Como implementar essa política na empresa?

Um sistema de benefícios flexíveis pode ser adotado por qualquer tipo de empresa, embora seja mais comum em negócios de médio e grande porte pela maior quantidade de colaboradores com necessidades distintas.

Independentemente do tamanho da organização, é preciso realizar um planejamento detalhado da política de benefícios flexíveis.

Primeiro passo: saiba o que os funcionários querem

De nada adianta oferecer uma solução que, primordialmente, é focada na necessidade do colaborador sem saber o que, de fato, este colaborador quer.

O primeiro passo para implementar os benefícios flexíveis é realizar uma pesquisa interna para mapear o perfil dos colaboradores e seus interesses quando o assunto é benefícios.

É Importante também mapear questões como idade, sexo e estado civil, pois isso ajuda na seleção de soluções e na hora de solicitar determinadas cotações.

Segundo passo: defina os valores e monte os pacotes de benefícios

Para que o programa seja viável para a empresa, é preciso que o valor de cada benefício seja estabelecido e uma verba seja definida para cada um dos funcionários, levando em consideração cada faixa salarial.

É obrigatório oferecer as mesmas alternativas de benefícios para todos os funcionários que ocupam o mesmo cargo e realizam as mesmas funções. Assim, não há discriminação ou privilégios injustificados.

Por isso é tão importante montar pacotes de benefícios que mesmo oferecendo soluções diferentes, tenham o mesmo valor. Neste passo, também é importante prestar atenção em quais são os benefícios que devem ser oferecidos obrigatoriamente em cada pacote de acordo com a legislação trabalhista.

Terceiro passo: determine o período de vigência e a forma de gestão dos benefícios

Uma vez que os pacotes foram montados, é preciso prestar atenção ao período de vigência de cada contrato. Um mesmo pacote deve ter seus contratos com fornecedores com um período de vigência semelhante, para que os colaboradores possam renovar ou mudar seus planos facilmente. 

Ao mesmo tempo, é preciso determinar como os benefícios serão administrados: como funcionará o desconto em folha de pagamento, em quais dias os colaboradores receberão os valores dos benefícios, etc.

Quarto passo: apresente os pacotes de benefícios flexíveis

Nesta última etapa, a empresa deve comunicar a adoção do novo programa de benefícios e explicar seu funcionamento. 

É importante esclarecer todas as dúvidas dos funcionários e agir com transparência ao explicar o funcionamento do plano de benefícios flexíveis, pois assim é possível aumentar a aderência ao programa e engajar mais colaboradores.

Isso também ajudará no momento de colher o feedback das equipes em relação aos pacotes de benefícios, já que isso ajudará a renovar contratos e pensar em novas soluções que são interessantes para os profissionais.

Posts relacionados

Deixe um comentário